Entenda a Tarifa Branca da Celpe

TAGS: Celpe / Consumo / economia / Energia / Tarifa Branca
Publicado em 05 de janeiro de 2018
Entenda a Tarifa Branca da Celpe

Entrou em vigor esse mês a Tarifa Branca. Mas o que é e para que serve?

Com o intuito de reduzir o uso de energia nos horário de pico, foi criada a tarifa branca que reduz o valor fora desse horário, porém é preciso tomar cuidado, pois se o usuário não fizer parte do perfil e resolver aderir à tarifa, poderá gerar um aumento na conta de luz.

Nesse primeiro ano de Tarifa Branca, a adesão estará disponível somente para novas ligações e para usuários existentes com média anual de consumo mensal acima de 500 kWh, ou seja, pessoas que pagam contas de luz de cerca de R$ 400 por mês. Em 2019 serão incluídas as unidades consumidoras com média anual de consumo mensal superior a 250 kWh. Já no terceiro ano de mudança todos os usuários poderão aderir, com exceção de grandes consumidores, como as indústrias, nem para quem é cadastrado na tarifa social de energia. Também não se destina à classe de iluminação pública.

É natural que a maioria dos consumidores utilizem alguns eletrodomésticos que de alto consumo, como ar-condicionado, chuveiro elétrico, no final do dia, quando chegam em casa, horário de pico, por isso a necessidade de analisar bem, antes de aderir.

Nos dias úteis, o valor da Tarifa Branca irá variar em três horários: de ponta, intermediário e fora de ponta. Para os clientes da Celpe, os horários são os seguintes:

Intermediário 1 – 16h30 às 17h29 (Energia mais cara)
De Ponta – 17h30 às 20h29 (Energia bem mais cara)
Intermediário 2 – 20h30 às 21h29 (Energia mais cara)
Fora de Ponta – 21h30 às 16h29 (Energia mais barata)

Em feriados nacionais e finais de semana, todos os horários do dia serão considerados Fora de Ponta. Sendo assim, a Tarifa Branca, poderá trazer benefícios aos usuários com menor consumo nos horários Intermediários e De Ponta.

O consumidor que desejar aderir a Tarifa Branca deverá fazer a solicitação junto à Celpe, que após analisar o pedido terá o prazo de 30 dias para trocar o medidor de energia, no caso de uma unidade já existente, ou nos prazos e procedimentos padronizados para casos de novas solicitações de fornecimento.

No caso de arrependimento e o consumidor desejar voltar à Tarifa Convencional, ele poderá solicitar e a Celpe terá o prazo de 30 dias para reverter. Para realizar uma nova adesão à Tarifa Branca após o retorno à Tarifa Convencional, esse consumidor deverá aguardar um prazo de 180 dias.

A distribuidora será responsável pelos custos de aquisição e instalação dos equipamentos de medição necessários ao faturamento da Tarifa Branca. Porém, o consumidor é responsável pelos custos decorrentes de eventuais alterações no padrão de entrada de sua unidade consumidora.

Vale ainda registrar que a Tarifa Branca nada tem a ver com as bandeiras tarifárias (verde, amarela e vermelha patamares 1 ou 2), que indicam se haverá ou não acréscimo no valor da energia a ser repassada ao consumidor final, em função das condições de geração de eletricidade no país. A definição da bandeira tarifária do mês seguinte é publicada pela Aneel ao final de cada mês, sendo compulsória para todos os clientes.

A Celpe disponibilizou em seu site cartilhas explicativas sobre o tema, para melhor entendimento dos consumidores e ajudar a sanar dúvidas na hora de tomar a decisão de aderir à Tarifa Branca. A Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) também preparou uma cartilha (http://www.abradee.com.br/escolha-abradee-para-voce/material-de-divulgacao/3752-cartilha-abradee-tarifa-branca-2017), assim como a Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel (http://www.aneel.gov.br/tarifa-branca).

Fonte: www.celpe.com.br



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre em contato

Entre em contato: (81) 3204.0789

Acompanhe nossa página no Facebook.